Marcel Capretz

Marcel Capretz nasceu no dia 15 de julho de 1985, na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo, às 21 horas, no Hospital Paulo Sacramento. Desde criança, sua maior paixão sempre foi o futebol. Na infância, o então Marcelzinho, era apaixonado por discussões esportivas. Com os colegas de escola e de bairro, o papo sempre girava em torno da modalidade mais popular do mundo.

Diante de todo o seu amor pelo futebol, ele até tentou jogar em alguns clubes, fez testes, passou por peneiras, mas não teve êxito. O jeito, então, foi sonhar com a comunicação. “Eu nunca foi bom de bola. Amava o futebol, entendia tudo, sabia de todas as estatísticas dos clubes e seleções, colecionava álbuns de figurinhas, mas infelizmente nunca fui um craque”, admite Marcel. “Se não houve possibilidade de ser um jogador, passei a querer ser jornalista. Até porque de uma forma ou de outra eu estaria no meio esportivo e faria algo que me dava melhor, que é falar e escrever sobre futebol”, completa.

Na escola, Marcel Capretz sempre foi um aluno de razoável para bom. Se não tirava grandes notas, nunca foi reprovado. “Até a oitava série eu ia muito bem. Depois, decidi ir para um colégio em que o ensino é mais puxado e encontrei algumas dificuldades, porém nunca repeti de ano. Hoje entendo que mudar de escola foi uma de minhas melhores decisões na vida. Aprendi demais e cresci principalmente como pessoa. Passei a entender e confiar que o meu crescimento depende única e exclusivamente de mim.”, relembra Capretz. Não foi só como pessoa que Marcel cresceu com os árduos estudos no Ensino Médio. Com apenas 17 anos, ele já estava cursando Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

A primeira oportunidade profissional não demorou a ser dada a Capretz. No segundo ano da faculdade, Dr. Tobias Muzaiel, proprietário da Rádio Difusora de Jundiaí, resolveu apostar no então garoto. Capretz foi contratado para cobrir o cotidiano e a área policial da cidade.

Em pouco tempo, ele já se destacava noticiando sempre em primeira mão, no jornal matinal da emissora, os principais fatos da madrugada. Diante disso, Marcel foi designado também para apresentar o jornal de sábado da rádio.

Percebendo que com o seu esforço as oportunidades apareceriam naturalmente, Capretz resolveu investir ainda mais na profissão. Paralelamente a faculdade de comunicação e ao emprego na Difusora, ele ingressou no Curso de Radialismo do Senac-SP, para obter o certificado oficial de locutor, e passou a ter sessões particulares com uma fonoaudióloga, com

o objetivo de ser aperfeiçoar no rádio e desenvolver aptidões para trabalhar em TV. O jovem jornalista também sempre se dedicou aos estudos de idiomas. Ele fez cursos de inglês e espanhol para ter fluência em ambas as línguas. “É fundamental que todo apresentador, repórter conheça várias línguas. Dominar o inglês e o espanhol é apenas o mínimo”, conta. E desde 2015, Capretz estuda também o francês, língua tão importante em competições como Olimpíadas e competições organizadas pela FIFA.

Mas mesmo ganhando notoriedade com as matérias investigativas e policiais, Marcel queria também ingressar na equipe de esportes da Rádio Difusora. E foi o que aconteceu quando ele entrou no terceiro ano de Jornalismo. Primeiramente, Capretz começou como plantão esportivo, mas logo na sequência passou a ser repórter de campo e âncora das transmissões.

O bom desempenho no microfone chamou a atenção de outros veículos de comunicação de Jundiaí. Tanto que com menos de dois anos de Rádio Difusora, Marcel é seduzido por um interessante “pacote” que se alinhavava; ele foi convidado para ter o seu próprio programa de televisão, na TV Japi, a escrever no Jornal da Cidade e para ser repórter de campo na Rádio Cidade. “Quando sai da Difusora, passei a ter uma rotina muito agitada, pois além de ainda estar terminando os estudos, tinha que dirigir e apresentar o programa na TV, que era semanal, às segundas-feiras, e cobrir os principais jogos do Paulista de Jundiaí pela Rádio Cidade e pelo jornal. Mas valeu muito a pena. Ao passo que era cansativo, era um orgulho estar apenas no terceiro ano da faculdade e, por exemplo, já ter o meu próprio programa de televisão”, relembra.

A partir da afirmação rápida e consistente na imprensa de Jundiaí, outras cidades passaram a se interessar pelo trabalho de Marcel. Em 2006, ele ingressou em um grande grupo de comunicação do Brasil: o Grupo Bandeirantes. “Passei a ser repórter e comentarista da TV Bandeirantes que tem sede em Campinas e atinge boa parte do interior de São Paulo. Eu atuava como responsável pela região de Jundiaí”, detalha. Além da Band, outro grande grupo que se interessou pelos trabalhos do jovem jornalista foi o LANCE!, que o contratou como correspondente. Paralelamente a isso, Capretz era constantemente chamado para fazer free-lancer. Alguns dos órgãos que o chamaram foram: Rádio Trianon de São Paulo, Rádio ABC, Rádio Globo/CBN de Manaus, Rádio Convenção de Itu, programa de TV Estação Futebol e o jornal Camisa 10. O trabalho na TV Band, rendeu a Capretz um convite da afiliada do SBT, a TVB. A idéia era que ele passasse a cobrir uma vasta região: Limeira, Piracicaba, Santa Bárbara D´Oeste, Araras e Rio Claro. De pronto, Marcel aceitou o desafio. Com as fronteiras rompidas, o jornalista continuou crescendo na profissão. Em 2007, foi convidado pelo principal jornal do país, a Folha de São Paulo, para cobrir os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro. Por quase dois meses, ele trabalhou no portal da Folha. Marcel já tinha experiência neste tipo de jornalismo, já que passou também pelos sites Futebol Interior e Bola Rolando.

Marcel Capretz
foto6

Após o término do contrato com a Folha de São Paulo, Marcel Capretz já tinha destino: a Rádio 105 FM. “Foi muito legal, pois eu ainda estava na Folha, no meio da cobertura do Pan, quando surgiu o convite da 105; expliquei a situação e eles, mesmo precisando urgentemente de um plantão esportivo, decidiram que a vaga seria minha e que esperariam terminar o meu vínculo com o jornal, sem colocar ninguém na função”, agradece Capretz, que além de atuar como plantão esportivo passou a ancorar as transmissões na emissora que, de acordo com o Instituo IBOPE, tem a maior audiência no futebol de São Paulo.

Em julho de 2008, surge um convite da TV Gazeta para Marcel. O chefe de reportagem da emissora, Chico Lang, junto com o diretor de esportes, João Batista, e a gerente Fátima Roggieri, o convidou para cobrir férias na emissora. Era mais uma porta que se abria na carreira do jornalista. E Capretz já estava habituado a tradicional sede da emissora, na Avenida Paulista, pois logo que terminou a faculdade, ingressou na Pós-Graduação em Comunicação na Fundação Cásper Líbero. “Como deu para conciliar com a 105 FM, aceitei a oportunidade na Gazeta. Foi outra porta que se abriu”, conta. E o sucesso do trabalho de Marcel Capretz em TV não parava por aí.

Após essa boa passagem pela TV Gazeta em São Paulo, as matérias marcantes na TV Bandeirantes de Campinas e na TVB, afiliada do SBT também em Campinas e pela condução contundente como apresentador na TV Japi por 4 anos e 3 meses, Marcel é convidado para ter o seu próprio programa em uma das afiliadas do SBT, a segunda emissora do país. A TVS – SBT, emissora que cobre 28 cidades nas regiões de Sorocaba, Itu e Jundiaí, firmou um contrato com Capretz, em

IMG_0590

que ele leva o seu Futebol Esporte Show para a TV aberta, de segunda a sábado, das 13h15 às 13h45.

Diante de todo o sucesso no SBT, a TV Mix, que abrange mais de 20 cidades em sinal aberto nas regiões de Limeira, Americana e Piracicaba convidou Capretz em 2011 para levar seu programa a grade da emissora. “Fazer com que mais pessoas tenham acesso ao nosso jeito diferente de fazer telejornalismo esportivo é muito interessante. Fizemos na TV Mix um programa semanal, aos sábados às 13h30 e aos domingos às 14h30”, diz.

O sucesso nesta região do estado de São Paulo foi tão grande que a VTV, afiliada do SBT, se interessou pelo programa de Marcel. E desde o dia 8 de outubro de 2012, está no ar o VTV Futebol Esporte Show exibido diariamente para mais de 65 cidades nas regiões de Campinas e Santos.

Atualmente, então, o programa é exibido diariamente para quase cem cidades em duas afiliadas fortes do SBT, a TV Sorocaba (www.tvsorocaba.com.br) e pela VTV (www.vtv.com.br).